Abanic | Instructional Design sob o enfoque Analítico-Comportamental
15921
page-template-default,page,page-id-15921,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-8.0,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1,vc_responsive

Instructional Design sob o enfoque Analítico-Comportamental

Este material tem por objetivo oferecer um panorama geral acerca dos pontos que serão abordados no curso “Instructional Design sob o enfoque Analítico-Comportamental”, o qual terá duração de 12 horas.

 

O curso terá início com uma breve discussão acerca do que é o design de instrução sob o ponto de vista da Análise do Comportamento e sobre sua importância para a programaçãoteachers-racial-bias.jpg.CROP.rtstoryvar-large de ensino de crianças com atraso no desenvolvimento. Mais especificamente:

  • Discutiremos o papel do designer de instrução enquanto programador de ensino cujo papel principal é solucionar problemas educacionais aplicando princípios e procedimentos da Análise do Comportamento.
  • Discutiremos especificamente o papel do designer de instrução no ensino de crianças com atraso no desenvolvimento (p.ex., a importância de se elaborar um currículo individualizado, baseado em avaliações comportamentais).

 

A seguir, falaremos sobre os três princípios norteadores da prática do designer de instrução: o responder ativo do aprendiz, a programação de ensino para uma aprendizagem sem erros e as consequências imediatas para desempenhos corretos e incorretos.

  • Ao discutir o responder ativo, abordaremos o fato que, na clínica, analistas do comportamento utilizam o responder ativo o tempo todo, mas, quando precisam inserir intervenções educacionais na escola e na família, nem sempre realizam esta programação ou discutem a importância desta com as pessoas que precisarão implementar os programas, o que acaba resultando em falhas de implementação.
  • Apesar de, em teoria, analistas do comportamento serem treinados para programarem procedimentos de ensino que evitem a ocorrência de erros, ainda vemos muitos programas de ensino que acabam necessitando de dicas físicas e gestuais ao longo de muitos passos de ensino porque o programa não levou em conta comportamentos pré-requisitos ou desconsiderou a taxa de aquisição de comportamentos do cliente. Discutiremos o que pode ocorrer quando não programamos um procedimento de ensino tendo por base o repertório de nosso cliente e discutiremos o que fazer para evitar a ocorrência de erros ao longo do processo de ensino-aprendizagem.
  • Analistas do comportamento conhecem a importância das consequências imediatas para o comportamento, mas, ainda assim, na prática clínica, parecem esquecer de sua essencialidade, dando ênfase, muitas vezes, aos antecedentes ao invés de pensarem criticamente nas consequências. Discutiremos, brevemente, a importância das consequências imediatas, mas não nos aprofundaremos, visto que este é um ponto essencial na Análise do Comportamento e, portanto, espera-se que os participantes já conheçam esta questão.

 

Em um terceiro momento, falaremos sobre os três tipos de aprendizagem que costumam ser programados e discutidos por designers de instrução: a aprendizagem psicomotora (inclui respostas motoras, individuais ou encadeadas), a cognitiva simples (inclui relações de igualdade, diferença, discriminações seriais, sucessivas e algumas formas de comportamento gerativo) e a cognitiva complexa (inclui o ensino de conceitos, equivalência de estímulos, princípios e combinações e recombinações criativas). Discutiremos estes tipos de aprendizagem sob a perspectiva comportamental.

  • Neste momento os três tipos de aprendizagem serão apresentados e exemplos de procedimentos de ensino de cada um serão fornecidos, mas não entraremos em discussões aprofundadas acerca de cada tipo.

 

A partir da apresentação dos tipos de aprendizagem, iniciaremos o assunto foco de nosso curso: o ensino de conceitos. Falaremos de sua definição para a Análise do Comportamento, como fazer uma análise de conceitos para garantir que o nosso aprendiz consiga generalizar seu responder para todos os membros de uma classe conceitual e consiga discriminar tais exemplares de não exemplares bastante similares, mas que não pertençam a tal classe. A seguir, faremos atividades práticas que englobem tanto a execução de uma análise de conceitos, como a criação de um conjunto mínimo de exemplares e não-exemplares a partir da análise de conceitos realizada. Na sequência, descreveremos formas de avaliar se nosso aprendiz está aprendendo os conceitos-alvo de forma generalizada.

 

Para finalizar, retomaremos a importância de se refletir acerca do que se quer ensinar, por que se quer ensinar, para quem se quer ensinar e como ensinar e, desta forma, garantir que nossos aprendizes adquiram habilidades fundamentais, como, por exemplo, a categorização de diversos exemplares em classes conceituais.

 

Para fazer sua inscrição, acesse: www.abanic.com.br/curso-instructional-design

.

.